BLOG

25-12-2018

Final de ano chegou. E agora?

Marcos Alexandre Margotti Izé
Psicólogo – CRP 12/15412
(48) 99942-0718
marcosmargotti@hotmail.com

   Então é natal, data de felicidade, onde as famílias, amigos e empresas dividem felicitações, presentes e união. Momento de reencontro com pessoas que talvez não foram vistas durante todo o ano. É um momento de correria em busca de presentes, da melhor comida para o jantar, da melhor forma de receber os convidados. Um momento de reflexão para muitos e de festa para tantos outros.

   Logo após o natal, vem o ano novo, mais festa, alegria, união e diversão, acompanhado das férias e o tão esperado carnaval. São meses em que muitas coisas param de funcionar, que o ritmo de trabalho desacelera, que os dias são mais longos e regados de risadas, alegria e muita comida. Uma época em que não apenas a rotina de trabalho muda, mas a vida de uma forma completa, passa a funcionar diferente do normal. A alimentação por sua vez não ficaria de fora. É um momento onde as pessoas se permitem comer mais, beber mais, ingerindo alimentos que talvez não estejam em sua rotina alimentar. Mas o que isso tem demais? De que forma isso poderia atrapalhar sua vida ou sua saúde emocional?

   Para aqueles que praticam ou buscam uma alimentação saudável, o equilíbrio do peso, que estão em dietas ou em momento de reeducação alimentar, as festas de final de ano podem se transformar em momentos de tensão. Já falamos um pouco em outro artigo publicado aqui, como a exigência pode afetar sua vida. E ela não se mostra diferente quando falamos em controle alimentar.

   Existe uma preocupação, ou mesmo exigência das pessoas neste momento do ano em “comer de forma correta”. Em casos mais extremos, é possível perceber pessoas que deixam de ir a confraternizações, ou se vão, levam uma marmita de casa ou não se permitem comer o que não é “considerado saudável”, por medo de julgamentos ou mesmo de não conseguir ter controle sobre sua alimentação.

   A família, colegas, mídia, redes sociais ou conhecidos por sua vez reforçam este movimento ao realizarem comentários a respeito do que a pessoa está comendo, como se quem cuidasse da saúde, mantendo uma alimentação saudável, não tivesse o direito de comer algo que não seja considerado “um alimento saudável”. É necessário repensar alguns pontos a respeito do que é ser saudável, e quanto essa restrição e confortável frente a sua realidade e suas emoções.

   Tensão, ansiedade, medo de perder o controle sobre a alimentação, medo do julgamento das pessoas ao seu redor, vergonha, prostração, sentimentos de fracasso, inutilidade, isolamento de eventos sociais são alguns dos sintomas que podem ser desencadeados a partir de situações como essa. É necessário o cuidado com a exigência imposta neste momento, tendo a compreensão de que são momentos pontuais que você sai de sua rotina alimentar. Em muitas situações, tende-se a perceber e valorizar mais os episódios onde você saiu da rotina, ao invés de perceber todo movimento realizado até então de uma alimentação saudável, realizada durante o ano. O que tem mais validade, um dia fora da rotina, ou um ano de cuidados e mudanças?

   É importante ter clareza de sua individualidade e os limites do seu corpo. Esse texto não tem por objetivo fazer você sair de sua rotina e comer sem limites. Mas sim de demonstrar que as festas de final de ano, eventos comemorativos, almoços de família entre outros momentos são eventos pontuais. Então porque não se permitir experimentar outras coisas dentro dos seus limites?

   Algumas pessoas, acabam por cair em extremismos, onde não se permitem comer, nem em datas especiais. É necessário prestar atenção de que forma isso interfere no seu dia a dia. Se for investigado, é possível encontrar em casos como estes, fatores como exigência em excesso ou situações na vida deste indivíduo que configuram uma dinâmica psicológica que leva a pessoa a tal exigência em relação a conseguir se manter focada, seja na alimentação, trabalho ou qualquer outro perfil da vida. Em alguns casos, é necessário o auxílio terapêutico para trabalhar principalmente a exigência imposta neste processo e as variáveis que constituíram tal realidade.

   Desejo a todos um feliz natal!

Você possui alguma dúvida ou curiosidade sobre algum tema em psicologia que gostaria que fosse abordado neste espaço? Dúvidas ou sugestões podem ser enviadas para o e-mail marcosmargotti@hotmail.com

Comente o Post
Post Relacionados